sexta-feira, 7 de maio de 2010

Herbstmond
























Sinto no coração um vago tremor de estrelas
Uma lua ri pra mim e rindo de mim me espelha
Um rasgo de quarto crescente e me toma a alma toda
Cada quarto cada sala cada cômodo luz incômoda

Sinto que o mês presente me assassina
Me cobra irrealizações num rosário
De uma vida embotada na folhinha
Eu que morro todo dia calendários

Sinto se me espera um sol de outono
Foda-se os meus olhos de menina
Hoje eu sou apenas um mês ausente
E esse coração que me assassina


a Mario Faustino, Federico Garcia Lorca e Marcelo Dolabela.




7 leitores extasiados...:

Carla Vergara disse...

Wow...... lindo demais, Fabiana. Morrer na poesia, para viver. Beijos carinhosos, Carla.

paulo disse...

Tristemente belo. Bom saber que primavera há de chegar com uma bela lua nova para iluminar sua alma de poeta...

Raül de Umlaut disse...

Enorme, bello, me ha cautivado gratamente este fantástico poéma de amor, romántico y barroco. Precioso.

Federico García Lorca estará contento.

Besos desde España!

Richard Mathenhauer disse...

Gosto de "colher" uma frase que me chama a atenção:

"Eu morro todo dia calendários"

Abraços,

J Alexandre Sartorelli disse...

Nossa!
Vou publicar nos poemas que amo
http://ojardimalheio.blogspot.com/
[]´s
Alexandre

dana paulinelli disse...

Belíssimo! Parabéns!

Venha visitar. Imperdível! disse...

Lindo demais. Saudades demais de você.

Blog Action Day 2009

Translate this blog


Widget UsuárioCompulsivo

Search this blog

Se você gostou desse blog, vote no prazer do texto: